Caio Fábio fala sobre o Dízimo e desafia pastores no Brasil

Caio Fábio ainda afirma que “qualquer igreja que diz que se você não colocar o dinheiro no gasofilácio estará em pecado esta mentindo e realizando uma manipulação diabólica” e ele desafia a qualquer pastor provar o contrário. “coloquem a pastorada evangélica, eles não tem peito de me encarar, põe no Maracanã…Eu vou chamá-los de mentirosos um a um.”

Entendo perfeitamente alguns “postos” teológicos de Caio Fábio, mesmo sabendo que seuexacerbo é de fato notório e compulsivo quando diz: “Eu vou chamá-los de mentirosos um a um.”

Ora, muitas declarações de Cristo trazidas no N.T referem-se aplicavelmente aos filhos de Jacó – Não só às aqui discutidas. Praticamente tudo que fora estabelecido pelo Messias veio primariamente a Israel – Pois que mesmo ele diz: “eu vim para os meus, mas os meus não me receberam…”.

Portanto se das demandas bíblicas que foram doutrinariamente expostas por Cristo e não aceitas pelos filhos de Jacó, então como nós, co-herdeiros da graça haveríamos de aceita-lo como senhor – mas refutar seus ensinamentos.

Não quero discutir teologia aqui, más alguns que lêem a bíblia com regularidade sabem que Cristo consubstanciou a pratica do Dizimo no NT quando ele diz: “Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.” (Mateus 23 : 23)

Nota-se o aparato que Cristo estabelece na pratica do Dizimo entre os filhos de Israel. Se o Senhor não refutou a pratica lá – porque haveria de refutá-la aqui? Ora, por que não tomaríamos, pois tais conselhos? Outra coisa importante que deve ser considerado é que você já notou que sobre duas coisas o senhor quase não falou (exerceu trato) no N.T. ?

1 – Praticamente não falou sobre o Dizimo
2 – Quase não externou afeto e carinho para com sua mãe (Maria)

Bom, eu tenho duas respostas pastorais, de modo que refiro-me aos leitores como pastor e não como articulista deste portal. A Primeira resposta seria entendida pelo fato de que teríamos sérias complicações ( MAIS DO QUE JÁ TEMOS) com os escândalos financeiros nas Igrejas se o Senhor frisasse repetidas vezes essa pratica abençoadora que é a devolução do dizimo.

A segunda é evidente: Se o Senhor tratando sua mãe (MARIA) com uma certa insensibilidade já temos problemas demais com a “Mariolatria”, Imagina se ele a tivesse recostado em seu peito e atribuísse palavras benevolentes e exultantes como fizera com João Batista o Centurião, etc.? Hoje teríamos ainda mais seguidores de Maria do que atualmente! Vejamos algumas frases direcionadas a Maria por Jesus:

“Disse-lhe Jesus: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.” (João 2 : 4)
“Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho.” (João 19 : 26)

“ E disse-lhe alguém: Eis que estão ali fora tua mãe e teus irmãos, que querem falar-te. Ele, porém, respondendo, disse ao que lhe falara: Quem é minha mãe? E quem são meus irmãos? E, estendendo a sua mão para os seus discípulos, disse: Eis aqui minha mãe e meus irmãos; Porque, qualquer que fizer a vontade de meu Pai que está nos céus, este é meu irmão, e irmã e mãe.” (Mt. 12. 47 – 49)

O senhor de nenhum modo estimula com tais declarações tratarmos nossos familiares assim. Sobretudo entendo que certo cuidado de sua parte quanto ao tratamento de sua mãe justificaria pelo fato de que pautado em sua onisciência, como também conhecendo a dureza do coração do homem, seria um meio pelo qual ficasse claro que toda essa idolatria ascendente surgiu não por consentimento ou por sua vontade, mas pela deslealdade do homem para com o seu Deus.

No modo de ver geral, a pratica do dizimo tem sido desvirtuada pelos líderes da Nação. Há mais mercado do que culto. Sobretudo deve-se tomar cuidado ao trato que se estabelece aos eleitos de Deus – O senhor há de pesar a todos na balança!

Você tem o direito de comentar e descordar comigo. Lembre-se que aqui é um portal cristão!

Aproveite, curta e compartilhe!

85 respostas a Caio Fábio fala sobre o Dízimo e desafia pastores no Brasil

  1. edson silva disse:

    Irmãos: Em l Corintios 2_14, diz: “O homem natural não compreende as coisas de do Espírito de DEUS, porque lhe parecem loucura; e não podem entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”
    É verdade que existem muita gente que usa esses recursos indevidamente, mas eu mesmo, já vi na televisão muitas mensagens que eu nem sequer tinha ainda lido na Bíblia, ora quantas pessoas nesse mundo não foram despertados por uma palavra através da televisão, do rádio, e essas coisas tem um custo, e sabemos que não é barato. Bem, eeses recursos, vem de dízimos, se a gente for dar ouvidos aos absurdos que ouvimos por aí, a gente abandona até a palavra do Senhor; ora vamos continuar dizimando, como se fizéssemos a DEUS, NÃO AOS HOMENS. Ademais, o Senhor Jesus Cristo falou sim dos dizimos, e não só falou, como disse que devemos, mas é difícil de perceber, (Mat 23_23) veja:
    “Ai de vós, escribas e fariseus, que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juizo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer “ESSAS COISAS” e não omitir “AQUELAS” ( Essas coisas, dizimar a hortelã, o endro, o cominho) e (aquelas, não desprezar o juízo, a misericórdia e a fé). Porque o Senhor Jesus diz que O JUIZO, A MISERICÓRDIA E A FÉ, são mais importantes, ou seja o seu dinheiro é importante, mas se você não der antes o seu coração, NADA ADIANTA.

  2. Regino disse:

    se hoje fosse feito um decreto proibindo a cobrança dos dizimos e o salarios dos falsos pastores,,,aconteceria que 99% das igrejas fechariam e os pastores iriam trabalhar e deixar de comer o suor dos outros..

  3. leonardo disse:

    O que os lideres das igreja deveria ensinar sobre o dízimo, mas faz questão de esconder?
    que O dizimar não é uma doutrina cristã
    Um ensaio por Russell Earl Kelly, Ph.D. Doutorado em teologia.
    Pastor da igreja batista. Estados unidos das Américas.

    INTRODUÇÃO:

    O seguinte estudo é apenas um resumo do livro, do Doutor Russel Kely “Tem a Igreja o direito de cobrar o Dizimo?” As conclusões de um teólogo no tocante a uma doutrina tabu. O livro em si é uma versão maior de minha tese de doutorado e cátedra Ph.D. desafio aos educadores bíblicos a serem honestos, que abram seus níveis de investigação em seus seminários e promovam estudos sobre este tema nos níveis de magistério, doutorado e catedrático. Esta doutrina falsa e exploradora, é demasiado importante para passá-la por verdadeira. Sendo uma mentira conveniente,

    Em todas as igrejas de hoje a falsa doutrina do dízimo se converteu em todo um escândalo. Por um lado, a maioria dos livros de texto a nível de seminário referentes à teologia sistêmica e a hermenêutica escritos por eruditos de muita preparação omitem o tema do dízimo, e por outro lado, a prática rapidamente está a se converter num requisito para ser membro nas mesmas denominações que dizem fazer questão de doutrinas fundamentadas na Bíblia, neste caso, existe uma demagogia clara, Também há mais e mais provas de que leigos que questionam a legitimidade de dizimar sob o Novo testamento, são criticados e desprezados como polemistas ou cristãos fracos. Líderes cristãos sinceros sempre devem estar dispostos a um diálogo aberto em torno da Palavra de Deus. A recusa em tratar o assunto so mostram que enganam o povo do senhor, intencionalmente de ma fé…

    O Dízimo Moderno Fundamenta-se Sobre Muitas Falsas Premissas

    O que ensinam todas as denominações que cobram dízimo se resume na declaração de certa denominação quanto à mordomia. Diz que “o dízimo é a mínima norma bíblica e que o ponto de partida estabelecido por Deus não deve ser substituído ou comprometido por nenhuma outra norma.” Acrescenta que o dízimo é do ganho líquido pago à igreja antes que se calcule o imposto público sobre o ganho.

    Os seguintes itens neste estudo delineiam um contraste entre os falsos ensinos que se utilizam para apoiar o dízimo com o que a Palavra de Deus diz verdadeiramente.

    Item #1: Os Princípios da doação voluntaria em 2ª coríntios 8 e 9 não Têm nada a Ver Com o Dízimo. No novo testamento não se cobrava nenhuma espécie de taxa fixa,(Dizimo) mas so voluntario. Com respeito à igreja, claro…

    O falso ensino é que o dízimo é uma expectativa divina obrigatória a qual sempre precede a oferta de livre vontade.

    A oferta de livre vontade existia dantes do dízimo. Os seguintes princípios do Novo Pacto no tocante à doação de livre vontade encontram-se em 2 Coríntios, capítulos 8 e 9:

    (1) A oferta é uma “graça.” Estes capítulos usam a palavra grega para “graça” oito vezes em torno da ajuda para os santos pobres.
    (2) Primeiro há que fazer a dádiva de um mesmo a Deus (8:5).
    (3) Há que se dar a conhecer a vontade de Deus (8:5).
    (4) Há que dar em resposta ao dom de Deus (8:9).
    (5) Há que dar por razão de um desejo sincero (8:8, 10, 12; 9:7).
    (6) Não há que dar porque o manda algum mandamento (8:8, 10; 9:7).
    (7) Há que dar mais do que se possa para ajudar aos pobres (8:3, 11, 12).
    (8) Há que dar para produzir igualdade. Isto quer dizer que os que têm mais devem dar mais a fim de suprir a incapacidade dos que não podem dar tanto (8:12-14).
    (9) Dar com gozo (8:2).
    (10) Há que dar pelo desejo de crescer mais espiritualmente (9:8, 10, 11).
    (11) Há que se dar porque se está a escutar a pregação do evangelho (9:13).

    Item # 2: Na Palavra de Deus o Dízimo Sempre foi em Alimento! No período que ele foi exigido, hoje nem isso é.

    O falso ensino é que os dízimos bíblicos incluia TODO tipo de ganho.

    Utilize a Palavra de Deus para definir o que é “o dízimo.” Não utilize um dicionário secular! Abra uma concordância bíblica completa e descobrirá que a definição que usam os promotores do dízimo está equivocada. Na Palavra de Deus o “dízimo” não aparece por si só de forma alguma. mesmo que já o dinheiro existisse antes do dízimo, a forma original do dízimo de Deus nunca foi em dinheiro. Era o “dízimo de alimento.” Isto é muito importante: O verdadeiro dízimo bíblico sempre foi somente em forma de alimento da terra e das manadas somente dos israelitas, quem viviam somente dentro da Terra Santa de Deus, dentro da fronteira nacional de Israel. O aumento recolhia-se do que Deus tinha produzido e não pela habilidade ou perícia humana.

    Há 15 versículos tomados de 11 capítulos e 8 livros, desde Levítico 27 até Lucas 11, que descrevem o conteúdo do dízimo. E o conteúdo jamais (reafirmo), jamais incluiu dinheiro, prata, ouro ou qualquer outra coisa que não fosse alimentos tomados dentro de Israel! No entanto, a definição equivocada do “dízimo” é a que se segue pregando como o maior erro tocante ao dízimo hoje! (Veja-se Lev. 27:30, 32; Núm. 18:27, 28; Deut. 12:17; 14:22, 23; 26:12; 2ª Crô. 31:5, 6; Nee. 10:37; 13:5; Mal. 3:10; Mat. 23:23; Luc. 11: 42).

    Item #3: O Dinheiro Era um valor muito utilizado, porem Não Dizimado, nem aceito por Deus, como dizimo.

    A falsa premissa é que o escambo de alimentos geralmente substituía o dinheiro.

    Um argumento a favor de dizimar com bens não alimentícios é que o dinheiro não era universalmente disponível e para a maioria dos intercâmbios se usava a escambo de alimentos. Este argumento não é bíblico. Gênesis, por si só, utiliza a palavra “dinheiro” em 32 textos e a palavra ocorre 44 vezes antes que se mencione o dízimo pela primeira vez em Levítico 27. A palavra shekel também aparece com freqüência desde o Gênesis até Deuteronômio.

    De fato, séculos antes que Israel entrasse em Canaã e começasse a dizimar os alimentos da terra santa de Deus, o dinheiro era um bem indispensável diariamente. Por exemplo, havia dinheiro em forma de shekels para o pagamento por escravos (Gên. 17:12+); terra (Gên 23:9+); liberdade (Êxo. 23:11); multas judiciais (Êxo. 21; 22); resgates do santuário (Êxo. 30:12+); votos (Lev. 27:3-7); impostos do censo (Núm. 3:47+), bebidas alcoólicas (Deut. 14:26) e dote matrimonial (Deut. 22:29).

    De acordo com Gênesis 47:15-17 o alimento se usava em escambo somente depois que se tinha esgotado o dinheiro. A palavra de Deus em Levítico define leis bancárias e de usura ainda antes do dízimo. Portanto, o argumento de que o dinheiro não prevalecia o suficiente para o uso diário é falso. No entanto, o dízimo, em si, nunca incluía dinheiro em efetivo de bens não alimentícios, como outros produtos e negócios.

    Item #4: O Dízimo de Abraão a Melquisedeque Manifestava Uma Tradição Pagã. Prova histórica para comprovar segue a baixo.
    A historia dos dízimos
    Havia muitos costumes praticados pelos povos da antiguidade, povos este que habitavam a regiao da mesopotâmia, como por exemplo: o levirato, acircuncisao, a libaçao, e a pratica do dizimo. com o dízimo não era diferente! Já falamos no início dessa matéria, que Abraão não deu algo desconhecido a Melquisedeque. Muitos povos antigos, como gregos e chineses, viviam conviventes com a prática do dízimo. Na grécia por exemplo, vemos os dízimos incluídos nos escritos de Heródoto. Esse homem, conhecido como o pai da história, foi um historiador grego que viveu de 484 aC até 420 aC. Em seus escritos, Heródoto narrou acontecimentos envolvendo povos como gregos, egípcios, fenícios entre muitos outros. Os dízimos citados por Heródoto, era muito semelhante ao de Abraão, visto que se tratava de despojos de guerra. Logo abaixo estão 2 trechos dos escritos desse historiador:
    Heródoto 1.89- “…exijam de tuas tropas os despojos, sob o pretexto de que é preciso consagrar a décima parte a Júpiter.”
    Heródoto 9-80 Calíope- “A décima parte desses despojos foi destinada aos deuses…Separada a décima parte dos despojos, foi o resto distribuído aos guerreiros, a cada um segundo o seu merecimento… A Pausânias coube também uma décima parte dos despojos, incluindo mulheres, cavalos, dinheiro (talentos), camelos e várias outras preciosidades.”
    Fenícios e cartagineses também tinham a prática de dizimar. Na antiga Grécia, mercadores, davam os dízimos de seus lucros a Hércules (imagem ao lado). Hércules era um deus da mitologia grega, suposto filho de Zeus e da humana Alcmena. Persas e babilónios também davam dízimos. Fenícios do século 14 a.C, também dizimavam, pois em Ungarit na Felícia foi achado relatos dessa prática. Na Mesopotâmia no período sumério, dizimistas davam dízimos nos templos. Egípcios e romanos também davam dízimos. Os dízimos dos egípcios, não tem a ver com a quinta parte exigida em Gênesis 47.24: “Das colheitas dareis o quinto a Faraó, e as quatro partes serão vossas, para semente do campo, e para o vosso mantimento e dos que estão em vossas casas, e para que comam as vossas crianças.”.
    A estela famine (estela da fome), é um monumento egípcio em pedra, datada de 380 a.C. (foto ao lado). Composta de 32 colunas gravadas, nela está registrado o dízimo sendo cobrado na cidade portuária de Naukratis. Dois dos textos escritos revelam o seguinte:
    “Todos os pescadores, os caçadores, que capturam pássaros, peixes e armadilhas e todos os tipos de jogo, e todos os que Iions armadilha no deserto, eu lhes exata de um décimo do exame de todos estes, e todos os animais jovens nascidos do fêmeas nestas milhas [em sua totalidade].
    “Um dará os animais marcados para todos os holocaustos e sacrifícios diários, e um deles deve dar um décimo de ouro, marfim, ébano, madeira alfarrobeira, ocre… todos os tipos de madeira…”
    Evidências dos dízimos entre povos antigos são inquestionáveis. Quase em toda sua totalidade de relatos, sempre se tratando de alimentos e produções agrícolas, como é também em toda a bíblia sagrada.
    A bíblia nos mostra que Abraão deu o dízimo dos despojos: “Considerai, pois, como era grande esse a quem Abraão, o patriarca, pagou o dízimo tirado dos melhores despojos.” (Hebreus 7.4). Era uma prática usada por outros povos, que Abraão tomou para honrar o Deus verdadeiro. Geralmente, seria entregue a algum sacerdote em um templo, assim como as outras nações. Tudo que a bíblia explica, é que Melquisedeque, era sacerdote do Deus verdadeiro, como vemos em Gênesis 14.18: “Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo;”.
    Muitos pastores e lideres de igrejas, sem saberem nada a respeito do verdadeiro dízimo, usam da artimanha, de que Abraão teria sido tocado por Deus para dar o dízimo. A verdade, é que mesmo antes da lei, nossos patriarcas seguiam uma lei vigente na sua época. Posteriormente, muitas dessas leis tornara-se leis mosaicas. Uma coisa que temos mais certeza ainda, é que o dízimo imposto em Israel, nada tem a ver, com o que vemos nas igrejas cristãs, que a grande maioria das pessoas chamam de dízimo. A verdade do dízimo dado por Abraão, é que foi dado apenas uma vez na vida, e não dos bens que ele possuia, mas sim dos despojos da guerra. Interessante é que se você continuar lendo a passagem de Gênesis, em que narra esse fato, logo após Abraão dar o dízimo a Melquisedeque, o rei de Sodoma pede as pessoas capturadas por Abraão na guerra, e sabe o que Abraão faz? Abraão tira apenas a alimentação dos homens que foram com ele, e dá tudo para o rei se Sodoma, ou seja, 90% dos despojos foi para o rei de sodoma.(Gn 14.21-23…)

    O falso ensino é que Abraão dava livremente de seus dízimos porque era a vontade de Deus.

    Pelas seguintes razões não se pode usar a Gênesis 14:20 como um exemplo para que os cristãos dizimem:

    (1) A Bíblia não diz que Abraão deu “livremente” este dízimo.
    (2) A dádiva de Abraão NÃO foi um dízimo santo da terra santa de Deus recolhido pelo povo santo de Deus de acordo ao santo pactuo antigo de Deus.
    (3) O dízimo de Abraão foi somente do despojos da guerra e era de rigor em muitas nações, ele não foi o inventor do dizimo, mas era uma tradição idolatra.
    (4) Em Números 31, Deus somente exigiu 1% do despojos da guerra.
    (5) O dízimo de Abraão a Melquisedeque foi um evento que se registrou somente uma vez.
    (6) O dízimo de Abraão não foi de seus bens pessoais.
    (7) Abraão não guardou nada para si mesmo; ele devolveu tudo.
    (8) O dízimo de Abraão não se usa como exemplo em nenhum lugar da Bíblia em apoio do dízimo.
    (9) Gênesis 14, versículo 21 é o texto chave. Já que a maioria dos comentários bíblicos explica o versículo 21 como um exemplo de uma tradição árabe pagã, é uma contradição explicar 90% do versículo 21 como pagão, e ao mesmo tempo insistir que os 10% do versículo 20 era a vontade de Deus.
    (10) Se Abraão é um exemplo para que os cristãos lhe dêem 10% a Deus, então também deve ser exemplo aos cristãos para que lhe dêem os outros 90% a Satanás, ou ao rei de Sodoma!
    (11) Já que eles mesmos eram sacerdotes, nem Abraão nem Jacó tinham que manter um sacerdócio levítico; portanto provavelmente deixavam alimentos para os pobres em seus altares.

    Item #5: O Primeiro Dízimo Chegava às Mãos dos Servos dos Sacerdotes.

    O falso ensino é que os sacerdotes do Antigo Testamento recebiam tudo do primeiro dízimo. Mentira, quem recebia era os levitas.
    O povo não levavam nenhum dizimo para o templo, pra casa do tesouro, mas em suas cidades onde plantavam e colhiam é que eram entregue aos levitas que ali moravam. Pois os levitas receberam 48 cidades espalhadas em todas as tribos. Nm 35 v 1-8, Js 21 v 33-41. E era la nas cidades onde os levitas residiam que recolhiam os dízimos anualmente, um representante dos sacerdotes compareceria para pegar a parte que a eles era destinadas e levar à casa do tesouro. Nem 10 v 37-38b.
    O dízimo “inteiro”, o primeiro dízimo, de jeito nenhum chegava aos sacerdotes. De acordo com Números 18:21-24 e Neemias 10:37b, ia aos servos dos sacerdotes, os levitas. E de acordo com Números 18:25-28 e Neemias 10:38, os levitas davam o melhor “dízimo deste dízimo” (10%) do que recebiam aos sacerdotes que ministravam o holocausto pelo pecado e serviam nos lugares santos. Os sacerdotes não dizimavam.

    Também é importante se dar conta que, por causa do recebimento destes dízimos, tanto os levitas como os sacerdotes renunciavam a todo direito de receber terras por herança dentro de Israel (Núm. 18:20-26; Deut. 12:12; 14:27, 29; 18:1, 2; Jos. 13:14, 33; 14:3; 18:7; Eze. 44:28). Ainda, se no novo testamento existissem os dízimos semelhante ao velho testamento primeiramente iriam aos diáconos que representam melhor (levitas) entao eles entregariam 10% o dizimo dos dizimos aos pastores e para a manutenção dos edifícios. Mas não existe este mandamento hoje.

    Item #6: “Será Santo ao Senhor” Não Designa ao Dízimo Como Uma Norma Moral Eterna.

    O falso ensino é que Levítico 27:30-33 comprova que o dízimo é uma “norma moral eterna” porque “é santo ao Senhor.”

    As frases “será santo ao Senhor” e “será santíssimo ao Senhor” são de uso comum em Levítico. No entanto, o uso destas mesmas duas frases em Levítico foi descartado pelos cristãos desde há muito tempo. Estas frases se usavam para descrever todos os dias de festas, as oferendas dos holocaustos, os alimentos limpos, os sacerdotes do pacto antigo e o santuário do pacto antigo. Se a frase “santo ao senhor” torna o Dizimo valido para hoje, as demais coisas precedidas da mesma frase, também o será. Leiam-se particularmente os versículos 28 e 29 do mesmo capítulo. Pegar a questão dos dízimos e recusar os outros é uma hipocrisia grosseira.

    Ainda que o “dízimo do dízimo” (10%) que era entregue aos sacerdotes era o “melhor” do que recebiam os levitas, o dízimo que recebiam os levitas era somente “uma décima parte” e não era do “melhor” (Lev. 27:32,33).

    Item #7: As Primícias Não São o Mesmo Que os Dízimos

    A falsa premissa é que os dízimos são o mesmo que as primícias.

    As primícias eram uma quantidade muito pequena da primeira colheita e o primogênito era o primeiro nascido dos animais. As primícias eram tão pequenas que cabiam dentro de um canastro de mão (Deut. 26:1-4, 10; Lev. 23:17; Núm. 18:13-17; 2º Crô. 31:5a).

    As primícias e a oferta do primogênito iam diretamente ao templo para o consumo único dos sacerdotes que tinham a obrigação de consumi-las em sua totalidade dentro do templo (Nee. 10:35-37a; Ex. 23:19; 34:26; Deut. 18:4).

    Todo o dízimo levítico ia primeiro às cidades dos levitas, não iam para o templo ou tenda, e certas porções iam ao templo para alimentar tanto aos levitas como aos sacerdotes que ministravam ali por turno (Nee. 10:37b-39; 12:27-29, 44-47; Núm. 18:21-28; 2º Crô. 31:5b). Ainda que os levitas alimentavam-se com o dízimo, os sacerdotes podiam comer também das primícias, das oferendas do primogênito e outras oferendas. Os levitas tinham as funções de: porteiros, guardas, cantores, servidores do templo, tesoureiros, escrivão, entre outras. Ne 10 v39. Ed 2v70 1° Cr v20 e 29. E se eram eles que recebiam os dízimos, quem melhor os representariam hoje? Não seriam os diáconos por direito? Mas não há este mandamento para a igreja de cristo.

    Item #8: A Bíblia Descreve Quatro Diferentes Tipos de Dízimos. Mas as instituições por conveniência so adotaram parte de um, o religioso e que vai para o bolso dos seus lideres.

    A falsa doutrina ignora todos os outros dízimos e enfoca-se numa interpretação errônea do primeiro dízimo religioso. hipocrisia conveniente não é?

    O primeiro dízimo religioso, chamado o “dízimo levítico” tinha duas partes. Novamente, o primeiro dízimo, por inteiro, entregava-se aos levitas que eram somente os servos dos sacerdotes (Núm. 18:21-24; Nee. 10:37). Os levitas, por sua vez, davam uma décima parte de todo o dízimo aos sacerdotes (Núm. 18:25-28; Nee. 10:38). De acordo com Deuteronômio 12 e 14, o segundo dízimo religioso, chamado o “dízimo da festa,” era consumido pelos adoradores nas ruas de Jerusalém durante os três festivais anuais (Deut. 12:1-19; 14:22-26). E de acordo com Deuteronômio 14 e 26, um terceiro dízimo, chamado o “dízimo para os pobres”, guardava-se nos lares em cada terceiro ano para alimentar aos pobres (Deut. 14:28,29; 26:12,13). Mas os cobradores de dízimos nem de longe fazem referencia a este não é? Um Quarto. Ademais, de acordo com 1º Samuel 8:14-17, o governante recolhia o primeiro e o melhor dez por cento para o uso político. Durante o tempo de Jesus Roma recolhia o primeiro dez por cento (10%) de quase todo o alimento e o vinte por cento (20%) do fruto das colheitas como seus despojos de vencedor. Alguém pode perguntar-se que vem a ser o que as igrejas estão a tratar de esconder quando escolhem o dízimo religioso que mais lhes convém para seus fins e descartam os outros dois dízimos religiosos importantes.

    Item #9: Jesus, Pedro, Paulo e os Pobres Não Dizimavam! E nenhum outro cristão também não.
    O falso ensino é que todo mundo no Antigo Testamento tinha a obrigação de dar a Deus os dízimos, mentira!!!…

    Os pobres não tinham obrigação alguma de dizimar!hoje Nem pobres nem ricos tem este mandamento. Nenhum dos apóstolos o ensinaram.
    nem ninguém é obrigado por mandamento bíblico a dizimar hoje. e também não se dizimava dos resultados da mão de obra do trabalhador, artesão ou por habilidade alguma. Somente os agricultores e pecuaristas recolhiam o dízimo do que Deus produzia em aumento. Jesus era um carpinteiro; Paulo era um fabricante de tendas e Pedro era um pescador. Nenhum destes labores os qualificava para dizimar porque não cultivavam a terra nem cuidavam do gado para subsistir. Portanto, é incorreto ensinar que todos pagavam rigorosamente ao menos o dízimo e, todavia, que no Novo Pacto os cristãos têm a obrigação de, ao menos, começar com o mínimo do que davam os israelitas no Pacto Antigo. Esta falsa doutrina se repete muito com freqüência e desconhece por completo a definição tão clara do dízimo como alimento recolhido dos produtos do aumento da semeadura ou do aumento do gado.

    Também é um erro ensinar que os pobres de Israel tinham a obrigação de pagar o dízimo. De fato, eles mesmos recebiam o dízimo! Uma grande parte do dízimo da segunda festa e todo o dízimo especial do terceiro ano era para os pobres!e hoje? Cadê os dízimos para os pobres?
    Tinha muitas leis que protegiam aos pobres de abuso e de sacrifícios custosos que não podiam custear (veja-se também Lev. 14:21; 25:6, 25-28, 35, 36; 27:8; Deu. 12:1-19; 14:23, 28, 29; 15:7, 8, 11; 24:12, 14, 15, 19, 20; 26:11-13; Mal. 3:5; Mat. 12:1, 2; Marcos 2:23, 24; Lucas 2:22-24; 6:1, 2; 2ª Cor. 8:12-14; 1 Tim. 5:8; Tiago 1:27).hoje são os pobres que são mais explorados. Os trabalhadores que ganham um salário mínimo, e tem que sustentar a família e pagar água luz as vezes aluguel e ainda tem que pagar para ser crente, e ser considerado fiel, e não ser chamado de ladrão, também as viúvas e aposentados. E nenhuma ajuda recebem destas instituições “filantropicas” entidades capitalistas que tiram dos pobres em nome de Deus, para enriquecer mais os seus ricos, milionários “pastores” lideres. Seriam estes os gananciosos que Pedro se referiu? 2°Pd 2v3, que fariam dos crentes do senhor um comércio. Serão estes também mercenários Jo 10 v 12. O que é um mercenário?…falando em mercenários, me lembrei também dos astros pregadores e cantores, que de congresso em congresso, de igreja em igreja estão enchendo suas contas bancarias com o dinheiro dos pobres fiéis. Ai eu me lembro de Miq 3 v 11. ( os teus chefes dão as sentenças por suborno, os seus sacerdotes ensinam por interesse, e os seus “profetas” (pregadores e cantores) profetizam por dinheiro.e ainda se apóiam no senhor! Dizendo: o senhor esta conosco.

    Item #10: Com Freqüência o Dízimo Usava-se Como Um Imposto Político.

    O falso ensino é que os dízimos nunca se podem comparar aos impostos ou à taxação.

    Na economia hebraica, o dízimo se usava de uma maneira totalmente diferente do que se prega hoje. Outra vez, os levitas que recebiam todo o dízimo nem sequer eram ministros ou sacerdotes – eram somente os servos dos sacerdotes! Números, capítulo 3 descreve os levitas como carpinteiros, operários em metalúrgica, curtidores e artesãos que cuidavam da manutenção do pequeno santuário. E de acordo com 1º das Crônicas, capítulos 23-26, durante o tempo do rei Davi e do rei Salomão os levitas ainda eram exímios artesãos encarregados da inspeção para dar o visto bom a toda a obra do templo: 24.000 trabalhavam no templo como operários e capatazes; 6.000 eram oficiais e juízes; 4.000 eram guardas e 4.000 eram músicos. Como representantes oficiais do rei, os levitas usavam seus rendimentos do dízimo para cumprir como oficiais, juízes, cobradores de impostos, tesoureiros, guardas do templo, músicos, padeiros, cantores e soldados profissionais (1º Crô. 12:23, 26; 23:2-5; 26:29-32; 27:5). A razão pela qual estas formas do uso dos rendimentos do dízimo não se usam como exemplos hoje para a igreja é óbvia.

    Também é importante saber que os dízimos do Pacto Antigo jamais foram usados para a evangelização dos que não eram israelitas. Pois não tinham este objetivo! Veja-se Hebreus 7:12-19. Os dízimos jamais foram recursos para que os levitas ou sacerdotes do Pacto Antigo estabelecessem missão alguma ou movessem a um gentil que fosse a se converter em israelense (Êxo. 23:32; 34:12, 15; Deut. 7:2). O dízimo do Antigo Pacto foi motivado e dado por mandato da lei, e não pelo amor. De fato, durante a maior parte da história de Israel os oráculos de Deus foram os profetas – e não os levitas e sacerdotes que viviam do dízimo.

    Item #11: Os Dízimos Levíticos em Geral Eram Levados às Cidades dos Levitas.

    Falsos mestres querem que pensemos que, tal qual no Antigo Testamento, os dízimos que se levavam ao templo agora devem ser levados para os edifícios da igreja”. E encaminhados aos bolsos dos pastores de pequenas congregações e matrizes das mesmas, como altos salários e outras regalias caras.

    O dízimo “inteiro” NUNCA se levava ao templo! Em realidade, a grande parte dos dízimos levíticos jamais chegava ao templo! Os que ensinam outra coisa ignoram as 48 cidades levíticas e as 24 classes dos levitas e sacerdotes. De acordo com Números 35, Josué 20, 21 e 1º das Crônicas 6, os levitas e sacerdotes viviam em terra emprestada como Jericó e Hebrom que rodeavam as cidades levíticas onde eles lavravam as terras e criavam gado (dizimado). Também é claro, a partir de 2º das Crônicas 31:15-19 e Neemias 10:37, que as pessoas do povo tinham que levar seus dízimos às cidades levíticas. Por quê? Porque ali é onde vivia os 98% dos levitas e sacerdotes com suas famílias a maior parte do tempo. Veja-se também a Josué 20, 21; Núm. 35; 1º das Crônicas 6:48-80; 2º Crônicas 11:13-14; Nee. 12:27-29; 13:10 e Mal. 1:14 para as cidades levíticas.

    Item #12: O Texto do Dízimo Que É Mais Abusado propositalmente é Malaquias 3v10.

    O falso ensino dos dízimos a partir de Malaquias 3 ignora cinco fatos bíblicos importantes: Malaquias cap. 1 v 1, deixa claro que sua mensagem se dirigia ao povo Judeu. E nem sequer a igreja de cristo existia ainda.

    (1) Malaquias está no contexto do Pacto Antigo e jamais se cita no Novo Pacto para abonar o dízimo (Lev. 27:34; Nee. 10:28, 29; Mal. 3:7; 4:4).
    (2) Em 1:6; 2:1 e 3:1-5 Malaquias claramente dirige-se aos sacerdotes que não têm honradez senão estão sob maldição devido a que tinham roubado as melhores ofertas de Deus.
    (3) Deve-se considerar que os levitas não residiam em Jerusalém onde estava o templo, no entanto o dizimo não ia para o templo, mas para as suas cidades. os
    Levitas viviam em suas cidades e Jerusalém não era uma cidade levítica (Josué 20, 21). O ensino de que os 100% do dízimo eram trazidos ao templo não faz sentido porque a maioria dos levitas e sacerdotes não vivia em Jerusalém. E os dízimos eram para os levitas.
    (4) Em Mal. 3:10-11 os dízimos ainda têm a forma de alimentos (Lev. 27:30-35).
    (5) As 24 classes de levitas e sacerdotes também devem ser levadas em conta. Começando com o rei Davi e Salomão, dividiam-se em 24 famílias. Estas divisões seguiam vigentes durante o tempo de Malaquias segundo o requerido por Esdras e Neemias. Já que só uma família servia no templo por só numa semana ao mesmo tempo, não tinha razão alguma para enviar TODO o dízimo ao templo quando o 98% tinha como finalidade a alimentação dos que ficavam nas cidades levíticas (para as classes se veja 1º das Crôn. capítulos 23-26; 28:13, 21; 2 Crô. 8:14; 23:8; 31:2, 15-19; 35:4, 5, 10; Esdras 6:18; Nee. 11:19, 30; 12:24; 13:9, 10; Lucas 1:5).

    Portanto, ao analisar o contexto das cidades levíticas, as 24 famílias de sacerdotes, os meninos menores de idade, as esposas, Números 18:20-28, 2º das Crônicas 31:15-19, Neemias 10-13, e todo Malaquias, somente como 2% do dízimo normalmente se requeria no templo de Jerusalém. À casa do tesouro, que serviam par alimentar tanto os sacerdotes que ministravam por seu turno, como também aos levitas porteiros guardas cantores, e de demais função. Daí a famosa frase: para que haja mantimento na minha casa..\

    Tanto a bênção como a maldição de Malaquias 3:9-11 esteve em vigência até que o Pacto Antigo caducou na cruz.e não diz respeito à igreja. Os que escutaram a Malaquias por vontade própria reafirmaram o Pacto Antigo (Nee. 10:28,29). “Maldito o que não confirme as palavras desta lei, pondo-as por obra.” E todo o povo dirá: “Amém.” (Deu. 27:26 citado em Gál. 3:10). Mas Jesus pôs fim à maldição. “Cristo isentou-nos da maldição da lei, feito por nós maldição; (porque está escrito: Maldito qualquer que é pendurado em madeiro)” (Gál. 3:13).

    Hoje as pessoas com rendimentos mais baixos são os que pagam o dizimo em maior quantidade às instituições captalistas( Ministérios) agências rentáveis, as quais tem levados seus lideres adquirirem muita riqueza pessoal. No entanto a maioria dos dizimistas segue na pobreza. pagar o dízimo não é a resposta mágica que substitui a educação, determinação e o árduo trabalho. Se Malaquias 3:10 deveras funcionasse para os cristãos do Novo Pacto, então os milhões de cristãos pobres que pagam o dízimo talvez já tivessem escapado da pobreza e já seria o grupo mais endinheirado do mundo, em vez de seguir entre o grupo mais pobre. Fora claro os que recebem o dizimo, e com este vivem uma vida regalada recebendo altos salários, que chegam a ser maior que o salário do presidente da republica brasileira,e adquirem muito patrimônio pessoal, Não há prova alguma que a maioria das pessoas pobres que “pagam o dízimo” recebe bênção financeira resultado de pagar o dízimo. As bênçãos do Pacto Antigo não são as bênçãos do Novo Pacto (Heb. 7:18, 19; 8:6-8, 13).

    Item #13: O Novo Testamento Não Ensina o Dízimo. Por isso os defensores da falsa doutrina não usa nenhuma das cartas dos apóstolos, já observaram?…

    A falsa doutrina é que Jesus ensinou o dízimo em Mateus 23:23, o qual segundo dizem eles, é evidente no Novo Testamento.

    O Novo Pacto não começou quando Jesus nasceu, senão quando Ele morreu (Gál. 3:19, 24, 25; 4:4, 5). O dízimo não é ensino para a igreja após a cruz! Quando Jesus falou do dízimo em Mateus 23:23, o “vocês” se referia à obediência judaica à lei do Pacto Antigo o qual o apoiou e endossou até a cruz (veja-se “da lei” em 23:23). Em Mateus 23:v2 (o contexto de 23:23) Jesus disse a seus seguidores judeus que obedecessem aos escribas e fariseus “porque se sentam na cadeira de Moisés”. No entanto, ele não mandou que os gentios que ele curou se apresentassem aos sacerdotes e que obedecessem à lei de Moisés (compare-se com M\at. 5:23, 24 e 8.4). E as igrejas de hoje não arrecadam dízimos das ervas das hortaliças tal como Jesus ordenasse.

    Após a cruz não há nem um texto bíblico que seja, no Novo Testamento, que ensina o dízimo – Ponto! Atos 2:42-47 e 4:32-35 não dão o exemplo do dízimo para o sustento dos líderes da igreja. De acordo com Atos 2:46 os cristãos judeus seguiam adorando no templo. E de acordo a 2:44 e 4:33,34 os dirigentes da igreja compartilhavam por igual com os fiéis do que recebiam (o que não se faz hoje). Finalmente Atos 21:20-25 comprova que os cristãos judeus seguiam observando zelosamente a lei mosaica 30 anos depois – e isso deve ter incluído o dízimo. De outra maneira não os teriam permitido entrar ao templo para adorar. Portanto, qualquer dízimo recolhido pelos primeiros cristãos judeus chegava ao templo e não ia para o apoio da igreja.

    Item #14: O Sacerdócio Limitado do Antigo Pacto Foi Substituído Pelo Sacerdócio de Todos os Crentes.

    O falso ensino é que os bispos e pastores do Novo Testamento seguem a mesma linha do sacerdócio do Velho Testamento, merecendo o dízimo. Mentira! No novo testamento, todos os cristãos são sacerdotes.

    Compare-se Êxodo 19:5,6 com 1ª Pedro 2:9,10. Antes do incidente do bezerro de ouro, a intenção de Deus tinha sido que cada israelita fosse um sacerdote de tal modo que o dízimo jamais se tivesse estabelecido. Os sacerdotes não dizimavam, mas recebiam uma décima parte do primeiro dízimo (Núm. 18:26-28; Nee. 10:37,38).

    A função e o propósito do sacerdócio do Pacto Antigo foram substituídos, não pelos bispos e pastores, senão pelo sacerdócio de todos os crentes. Igualmente a todos os regulamentos da lei, o dízimo era tão só uma sombra provisória até que chegasse Cristo (Efé. 2:14-16; Col. 2:13-17; Heb. 10:1). No Novo Pacto cada crente é feito um sacerdote para com Deus (1 Ped. 2:9, 10; Apo. 1:6; 5:10). E como sacerdote, cada crente oferece sacrifícios a Deus (Heb. 4:16; 10:19-22; 13:15, 16). Portanto, cada ordem que previamente sustentava relação com o antigo sacerdócio foi apagada na cruz. Já que Jesus também não era da tribo de Levi, até ele mesmo não qualificou. Assim, o propósito original do dízimo já não existe (Heb. 7:12-19; Gal. 3:19, 24, 25; 2ª Cor. 3:10-18).

    Item #15: A Igreja do Novo Pacto Nem é Um Edifício Nem é Um Armazém.

    O falso ensino é que no cristianismo os edifícios chamados “igrejas”, “tabernáculos” ou “templos” substituem o templo do Antigo Testamento como a morada de Deus. Mentira!!…

    A palavra de Deus jamais designa às igrejas do Novo Pacto como “tabernáculos”, “templos” ou “edifícios” nos quais mora Deus! A igreja de Deus, a morada de Deus, está dentro dos crentes. Os crentes “não vão à igreja” – senão que os crentes se “congregam para adorar”. Ademais, já que os sacerdotes do Antigo Testamento não pagavam o dízimo, então não é lógico seguir com essa prática. Portanto, é um erro chamar a um edifício “o armazém de Deus” para os dízimos. (1ª Cor. 3:16, 17; 6:19, 20; Efé. 1:22, 23; 2:21; 4:12-16; Apo. 3:12). Para “o armazém” ou “minha casa” compare-se 1ª Coríntios 16:2 com 2ª Coríntios 12:14 e Atos 20:17, 32-35. Durante vários séculos, após o calvário, os cristãos nem tinham seus próprios edifícios (para chamá-los armazém) já que o cristianismo era uma religião proibida.

    Item #16: A Igreja Cresce à Medida Que Exerce os Princípios do Novo Pacto.

    O falso ensino implica que os princípios da graça não são tão bons como os princípios da lei no antigo testamento.

    No Novo Pacto:

    (1) De acordo com Gálatas 5:16-23, não há nenhuma lei física que controle o fruto do Espírito.
    (2) 2ª Coríntios 3:10 diz que o Pacto Antigo “não tem glória” quando se compara com a “superabundante” glória e liberdade do Espírito.
    (3) Hebreus 7 é a única menção do dízimo após o calvário e explica a razão pela qual o sacerdócio levítico deve ser substituído pelo sacerdócio de Cristo, porque o primeiro era débil e infrutuoso. Ao estudar Hebreus 7 nota-se uma progressão desde o versículo 5 ao versículo 12 e até ao 19.
    (4) A maneira como se ensina o dízimo hoje manifesta a falência da igreja em crer e atuar sobre os melhores princípios do amor, da graça e da fé. As normas de dar por obrigação não podem, não resultaram e não prosperarão à igreja mais que os princípios guiados pelo amor a Cristo e às almas perdidas (2 Cor. 8:7,8).

    Item #17: A Preferência do Apóstolo Paulo Foi Que os Líderes da Igreja Tivessem Sustento Próprio. Não é honroso trabalhar.
    Não é vergonhoso fazer da obra de Deus uma profiçao?

    O falso ensino é que Paulo ensinou e praticou o dízimo. Mentira descarada.

    Como rabino judeu,e mestre dos gentios, Paulo se contava entre os que persistiam em trabalhar para seu próprio sustento (Atos 18:3; 1ª Tes. 2:9, 10; 2ª Tes. 3:8-14). Ainda que Paulo não condene aos que podem receber todo o apoio, também não ensina que o apoio financeiro total é a vontade de Deus obrigatória para o avanço do evangelho (1ª Cor. 9:12). De fato, duas vezes, em Atos 20:29-35 como também em 2ª Coríntios 12:14, Paulo urge aos bispos da igreja que trabalhem para prestar apoio aos crentes necessitados da igreja.

    Para Paulo, “viver o evangelho” significava “viver pelos princípios do evangelho de fé, amor e graça” (1ª Cor. 9:14). Ainda que Paulo entendesse que ele tinha certo “direito” a algum apoio, ele concluiu que sua “liberdade” ou o sentir-se livre de pregar sem impedimentos era-lhe mais importante no cumprimento de seu apelo para com Deus (1ª Cor. 9:12, 15; 2ª Cor. 11:7-13; 12:13, 14; 1ª Tes. 2:5, 6). Enquanto trabalhava fabricando tendas, Paulo aceitou um apoio limitado, mas se jactava que seu pagamento ou salário era que ele podia pregar o evangelho voluntariamente, sem ser ônus para outros (1ª Cor. 9:16-19).

    Item #18: O Dízimo Não se tornou mandamento Para a Igreja Até 777 a.D. sendo a igreja católica romana mãe das heresias que o aplicou como mandamento, cristo não o aprova.

    1.2 – Do século VI à Revolução Francesa (1789)
    A praxe de contribuir para cobrir as necessidades da Igreja ia se difundindo no Ocidente. Havia, porém, exceções da parte dos contribuintes.
    Em vista disto, os Concílios foram intervindo nesse setor. O Sínodo Regional de Tours (Gália), em 567, promulgou, por exemplo, a seguinte determinação: “ Instantemente exortamos os fiéis a que, seguindo o exemplo de Abraão, não hesitem em dar a Deus a décima parte de tudo aquilo que possuam, a fim de que não venha a cair na miséria aquele que, por ganância, se recuse a dar pequenas oferendas… Por conseguinte, se alguém quer chegar ao seio de Abraão, não contradiga o exemplo do Patriarca, e ofereça a sua esmola, preparando-se para reinar com Cristo”.
    Esta é a primeira recomendação de dízimo feita pelos bispos, já não como pregadores ou doutores, mas como legisladores. Contudo, note-se que não impuseram sanção aos transgressores. A justificativa apresentada pelo referido Concílio de Tours em favor dos dízimos, era a necessidade de expiar os pecados da população, sobre a qual pesavam guerras e calamidades.
    Mais um passo foi dado no Concílio de Macon (Gália), em 585, quando os padres conciliares houveram por bem impor a excomunhão a quem se furtasse a pagar sua contribuição à comunidade eclesial. O dever moral torna-se também obrigação jurídica. A evolução se explica através das difíceis condições em que se achava o povo cristão (clero e fiéis) na Europa do séc. VI: as invasões bárbaras, a queda do Império Romano havia acarretado o caos e a insegurança entre as populações. Daí a necessidade de que os bispos despertassem mais vivamente os fiéis para participarem dos interesses de subsistência das suas comunidades. Em Macon, notam os historiadores que não houve apenas a recomendação de um costume antigo, mas uma autêntica inovação.
    A legislação das diversas províncias eclesiásticas nos séculos subseqüentes repetiu várias vezes a determinação do Concílio de Macon.
    O poder civil havia de apoiar cerca de dois séculos mais tarde, sob Carlos Magno, a legislação eclesiástica, confirmando-a com uma sanção civil. Com efeito, a lei capitular dita “de Heristal”, em 779, manda aos cidadãos franceses pagar o dízimo à Igreja, ficando o bispo encarregado de o administrar; os contraventores sofreriam a sanção imposta aos infratores das leis civis, ou seja, provavelmente a multa de 60 soldos. Em 780 e 801 a ordem foi reiterada.
    Nos séculso seguintes, encontram-se numerosos documentos eclesiásticos e civis das diversas regiões da Europa que visam regulamentar a praxe dos dízimos e estipulam qual deva ser:

    - a matéria sujeita a dízimos (frutos da terra, produtos de animais…);
    - quais as pessoas sujeitas a dízimos (mosteiros foram isentos);
    - quais as pessoas a quem caberia o direito de cobrar o dízimo (os párocos, os bispos…);
    - quais as aplicações do dízimos (sustento do culto, manutenção do clero ou “côngrua”, atendimento aos pobres);
    - quais os modos de perceber ou cobrar dízimos.

    1.3 – A partir da Revolução Francesa (1789).
    No século XVIII, o dízimo havia caído no franco desagrado dos fiéis cristãos. Já quase não preenchia as suas finalidades. Com efeito, destinado a atender as paróquias e ao seu clero, os dízimos, em sua maior parte, iam beneficiar o alto clero e instituições estranhas ao serviço paroquial. Os grandes arrecadadores de dízimos eram prósperos (havia bispos e prelados diversos comandatários, ou seja, leigos que traziam títulos eclesiásticos quase exclusivamente para se beneficiar dos rendimentos materiais respectivos), ao passo que vultoso número de presbíteros recebiam uma “côngrua” insuficiente. Em suma, as quantias arrecadadas não eram devidamente aplicadas aos fins estipulados pela legislação eclesiástica e civil.
    Por sua parte, os economistas do século XVIII eram hostis ao dízimo, porque não era calculado sobre a produção líquida; Adam Smith o condenou por não corresponder ao seu conceito de imposto; este deveria ser determinado e não arbitrário; a quantia a ser paga e a época do pagamento deveria ser pré-estabelecidas.
    Voltaire e os filósofos pretendiam demonstrar que o dízimo não era de direito divino. Os magistrados, o baixo clero e os agricultores eram infensos a este tipo de imposto. Em conseqüência, numerosos libelos foram enviados ao parlamento francês, pedindo ou a reforma ou a supressão dos dízimos.
    A Assembléia Constituinte de França resolveu finalmente extinguir esse uso. Na noite de 4 de agosto de 1789, os deputados do clero renunciaram aos seus privilégios e, em particular, aos dízimos. Aos 21 de setembro de 1789, o rei Luis XVI promulgou o decreto que declarava extinta a praxe dos dízimos.
    A nova legislação francesa estendeu-se às demais nações européias, de sorte que até 1848 foi abolida em todo o continente europeu, a cobrança dos dízimos; ficou apenas uma pequena porção da Itália sujeita a esse regime, até 1887.
    A moção abolidora foi, em parte, inspirada pelo espírito anticlerical, mesmo anti-eclesial, que se implantou em numerosos países nos séculos XVIII e XIX, nos setores sociais e industriais.
    Levem-se em conta, igualmente, os abusos e as distorções por que passou a prática do dízimo, tornando-a muitas vezes antipática ao povo de Deus. Por último, é de notar a contribuição que o espírito capitalista deve ter dado ao
    descrédito e ao declínio do sistema de dízimos.

    O falso ensino é que a Igreja sempre ensinou o dízimo.(mentira!)

    As primeiras congregações cristãs se formaram seguindo o padrão das sinagogas judaicas dirigidas pelos rabinos que, semelhantes a Paulo, negavam-se a receber rendimentos da pregação e do ensino da Palavra de Deus. Há muitos livros em torno da vida social dos judeus que explicam este detalhe.

    Desde a morte de Cristo até que o cristianismo chegou a ser uma religião com reconhecimento legal, 300 anos depois, a maioria dos grandes líderes da igreja se impôs votos de pobreza. Este é um fato histórico com apoio em documentos históricos! Tomaram literalmente as palavras de Jesus ao jovem rico em Lucas 18:22 “vende tudo o que tens, e dá á os pobres, e terás tesouro no céu; e vem, segue-me”. A maioria dos historiadores da igreja está de acordo que estes primeiros líderes da igreja ao menos pelos primeiros 200 anos trabalhavam em sustento próprio. Um líder cristão não podia dizer a um oficial do censo romano que seu trabalho era de tempo integral na pregação de uma religião “proibida”.

    Clemente de Roma (c95), Justino, o Mártir (c150), Irineu (c150-200) e Tertuliano (c150-200), todos se opunham ao dízimo por ser estritamente uma lei do velho testamento, sendo assim exclusivamente judaica. O Didaquê (c150-200) sancionava aos apóstolos itinerantes que ficavam mais de três dias e depois pediam dinheiro. Os viajantes que decidiam se combinar com eles viam-se obrigados de aprender um ofício. Os que ensinam o dízimo não citam as declarações destes pais da igreja que se opunham ao dízimo.

    Cipriano (200-258) fracassou quando tentou impor o dízimo em Cartago, África do norte, ao redor do 250 a.D. No entanto, quando se converteu, Cipriano entregou sua grande riqueza pessoal aos pobres e tomou um voto de pobreza. E – devemos recordar – suas idéias do dízimo não foram adotadas.

    Quando os mestres do dízimo citam a Ambrósio, Crisóstomo e Agostinho, como os assim chamados “pais da igreja”, por pura conveniência não incluem os primeiros 200 anos da história da igreja. Ainda, depois que o cristianismo foi legalizado, no século quarto, muitos dos grandes líderes espirituais tomaram votos de suma pobreza preferindo viver vida de solteiros em monastérios. Se é que vão citar a estes mestres do dízimo, então a igreja também deve observar o tipo de vida que eles viviam.

    Ainda que estejam em desacordo com seus próprios teólogos, a maioria dos historiadores da igreja escreve que o dízimo não chegou a ser uma doutrina aceita na igreja por mais de 700 anos após a cruz. De acordo com os melhores historiadores e enciclopédias, não foi senão até após 500 anos que o concílio local da igreja de Macón, na França, no ano 585, tentou, sem sucesso, impor dízimo sobre seus membros. Não foi senão a partir do ano 777 que Carlos Magno permitiu que a igreja católica romana, por aval de lei, pudesse recolher os dízimos.

    O mesmo nos informa, amigos, que esta é a história do dízimo segundo a Enciclopédia Britânica, a Enciclopédia Americana e a Enciclopédia Católica Romana para que todos a leiam. Estes fatos históricos devem servir como prova para qualquer pessoa.

    CONCLUSÃO:

    Na palavra de Deus, o “dízimo” não aparece por si sozinho. É o dízimo dos “ALIMENTOS”. O dízimo bíblico foi limitado dentro de um marco estreito pelo mesmo Deus. O verdadeiro dízimo bíblico sempre teve estas características:

    (1) Somente o que era alimento ou comida;
    (2) Somente da atividade agrícola e pecuária;
    (3) Dado somente por israelitas;
    (4) Por quem somente vivia dentro da terra santa, dentro da fronteira de Israel;
    (5) Somente de acordo com as condições do Pacto Antigo; e
    (6) O aumento somente se podia recolher daquilo que Deus tinha produzido;

    Portanto,

    (1) Objetos que não eram alimento não podiam ser dizimados;
    (2) Animais de caça silvestre e de pesca não podiam ser dizimados;
    (3) Os que não eram israelitas não podiam dizimar;
    (4) Alimento que não fosse da terra santa de Deus não podia ser dizimado;
    (5) Quando já não havia sacerdócio levítico não havia lei, em rigor, que obrigasse o dízimo; e
    (6) O dízimo não provinha do que tinha produzido a mão do homem ou capturado por suas próprias mãos na pesca ou na caçada.

    Sendo assim, esta provado que a lei do dizimo não é um mandamento para a Igreja do senhor, que os que insistem em afirmar que é, esta mentindo, ou equivocado, porem não inocente, afirmo categoricamente que os que aproveitam da ignorância dos servos do senhor, estão pecando contra cristo, ao aproveitar-se dos fiéis leigos, e que incorrerão em juízo. 2 Pd 2 v 3, e Ap 22 v 15. Deus não terá por inocente o culpado. Olhem por suas riquezas e patrimônios, eles testemuinharao contra vocês no dia do julgamento.

    • antonio carlos martins disse:

      Ora, então outro tanto deve se dizer em relação às ofertas! Estas não devem ser em dinheiro vivo também, uma vez que, já que os dízimos nada tinha a ver com moedas ali, muito menos as ofertas. Logo, suspenda-se a provisão de suprimento para as igrejas hoje, que logo ficarão sem mantimentos. Isto é, como subsistirão social e economicamente sem dinheiro??? Se não temos hoje bois,vacas,trigo etc para ofertar…hilário não? rs Eu gostaria de saber porque tanto esforço para tentar negar ou ofuscar a estabilidade doutrinária bíblica deste imposto divino?

  4. Jojo disse:

    Durante anos fui escrava moral dessas igrejas, e sempre me questionava sobre esses assuntos, e percebia que dentro dessas igrejas há muita arrogância, prepotência, autosuficiencia…”Eu dou meu dízimo, eu sou fiel, eu mesmo me salvo”
    Ficava me sentindo culpada por achar que tinha maus olhos
    Percebo enfim que essas igrejas são as verdadeira sinagogas de Satanás, onde sutilmente se nega Cristo, pois ele não é salavador suficiente, pois segundo esses pastores, se você não dá o dízimo, você é ladrão, e condenado então ao inferno e lago de fogo e enxofre.
    E quem nega Cristo é o próprio anticristo. está escrito!!

  5. DERALDO disse:

    DEL.
    Em João 10, o Senhor chama de Mercenário uns pastores, O que não entra pela porta do curral das ovelha, Que é Cristo. Que deixou estes exemplos para eles, e Eles permanecem cegos. E os cegos estão guiando outros cegos. Procura a vos do Bom Pastos, Que é Cristo.
    O Senhor disse: O ladrão vem para roubar, matar e destruir. Não é Satanás que o Senhor está falando. Ele fala de quem rouba o seu dinheiro, mata a tua alma e destrói sua família e vida. O dísmo leva há isso.

    Quem andava com a bolsa era Judas. E o Senhor disse para os Judas;

    A quem vocês querem servir? A DEUS, OU A MAMON?

  6. luiz roberto mendes da silva disse:

    Sou espirita não pagamos dízimos e portanto não temos nenhum tipo de luxo.

  7. luiz roberto mendes da silva disse:

    Alguns pastores dizem que ama a deus mas amam também a mamom…..

Serão aceitos apenas emails reais

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>