Marco Feliciano Admite haver meninices nos púlpitos pentecostais

O Blogueiro Danilo Fernandes entrevistou o Pastor, escritor cantor e Deputado Federal Marco Feliciano, isso é de grande notoriedade e de intensa divulgação na rede. A entrevista embora descontraída não teve como não apontar temas sérios, relevantes; principalmente voltados ao movimento pentecostal.

Como um dos editores do Genizah, Danilo expressou no prólogo de um de seus artigos relacionados ao Pastor Marco Feleciano e Bispo Dr. Manoel Ferreria, que por sinal, vem sendo peça principal de diversos comentários que, até o momento não foram justificado por alguma acessoria ou pelo próprio Bispo. Certamente que a decisão de apoiar a candidata Dilma Rulssef do PT levantou ainda mais o nome do Bispo ao ponto de expô-lo aos diversos níveis e tipos de comentários, como tem ocorrido ultimamente.

Mesmo assim, nosso objetivo nesse artigo; sem mais querer fugir, é mostrar aos leitores do Báu Gospel, por sinal, quase duzentos mil (visualizações) no mês passado (Setembro), os pontos positivos que forma extraídos na entrevista com o pastor Marco Feliciano após ter sido avaliada pelo Blogueiro e jornalista Danilo Fernandes:

EXTRAÍDO DO GENIZAH (APENAS PARTES)

Analise do entrevistador após a entrevista:

(1) Valeu pelo orgulho profissional de tê-lo feito admitir seus erros doutrinários e meninices no púlpito, o que até então nenhum jornalista havia feio.

(2) Valeu por ouvir do próprio que muito do que se vê nos gideões de Camboriú são fraudes, em especial, os eventos tratados nos vídeos que veiculei e produzi. Fui muito acusado e amaldiçoado por estar “brincando com coisas do ES”; quando na verdade meu coração dizia que eram fraudes. Acho muito fácil agora certas pessoas virem aqui para bater palma para o óbvio, mas muitos, antes, me acusavam de levantar falsos e brincar com a fé alheia… Hipocrisia, covardia e inveja são os pecados que mais desafiam o povo cristão, dizem a Bíblia e as evidências.

(3) Valeu por conta do futuro. Como disse o Pastor Altair Germano, tais confissões servirão para fazer refletir uma geração contaminada por estes erros. Valorizam a importãncia do discipulado e da formação nas AD.

(4) Valeu porque não peguei leve com ele, e prometi não lhe dar indulto futuro. Melhor ainda, me senti feliz por me ver capaz, em Cristo, de aceitar diferenças e motivar um irmão que estava em erro a ir para frente no seu acerto com seu ministério. Abraçar alguém que critiquei duramente e ouvir dele que a crítica que fizemos (e da forma que fizemos) foi edificação na sua vida. Tem gente que ficou mordido por conta disto, sugestão: Ora que passa! E saibam: Feliciano não foi o único tem outro peixão na rede, aguardem.

(5) Valeu porque fiz o meu papel de cristão de ouvir, crer (na) e desejar a mudança . Oro por quem critico, segundo as Sagradas Escrituras, vou seguir fazendo assim. Não sou como certos personagens da blogosfera que desejam jogar na fogueira até mesmo os arrependidos. se de fato não o são, que Deus tenha com eles!

(6) Valeu porque fui incisivo, botei o camarada em saia muito justa, mas o tratei com o respeito que a ocasião exigia. Teve gente que achava mesmo que eu devia ter saído na mão com o Feliciano. Esta turma é cristã mesmo… Sério? Muito melhor foi ver o Marco repudiar a teologia da prosperidade e outros modismos de nossa igreja. Este momento irá edificar muitos jovens pregadores, como disse outro grande lider da AD.

(7) Valeu porque fui honesto, busquei o entendimento, pedi o diálogo, estendi a mão e jamais vou me arrepender disto. Mostrei que respeito muito os irmãos pentecostais, sou, eu mesmo, quase pentecostal, risos, e minha crítica é pontual de certas práticas espúrias, que em nada são pentecostais. Tenho o respeito e a amizade de líderes pentecostais, o que certos outros algozes impedernidos, eternos revoltados, não tem… Sorry periferia.

Afinal, devemos julgar sim, mas segundo a reta justiça. Se o irmão é admoestado, se arrende e depois erra, quem o admoestou, consolou e motivou não é responsável pelos erros futuros do irmão a quem serviu em Cristo. Quem pensa diferente é tolo, perverso e, acima de tudo, não é cristão, mesmo que se esconda sob um manto de missionário ou pastor.

Fique por dentro!

1 resposta a “Marco Feliciano Admite haver meninices nos púlpitos pentecostais”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *